50% (2011)

50% | 50/50 | dir. Jonathan Levine | EUA | ★★★★

50% Poster

Aos 27 anos, o ecologicamente correto Adam (Joseph Gordon-Levitt) recebe uma notícia tão surpreendente quanto inaceitável: ele está com um raríssimo câncer. Apesar do baque inicial, é preciso estar com maior fôlego para lidar com as reações da namorada que ainda está se tornando íntima (Bryce Dallas Howard), a mãe protetora (Anjelica Huston), a terapeuta iniciante (Anna Kendrick) e o amigo que só quer ver o lado bom da situação (Seth Rogen). Dentro desse círculo que Adam não tem como fugir, ele inicia uma jornada para conseguir estabelecer o que um câncer pode levar dele antes de sua possível morte. Quase todo mundo deve presumir a pedreira que deve ser para enfrentar uma doença tão nefasta quanto essa. Quem já teve ou presenciou de perto alguém em tratamento acaba tendo uma aula de vida sem nem ao menos tê-la desejado. A partir dessas resoluções que tiramos de situações assim foi que Will Reiser, roteirista de “50%”, incitado pelo amigo Seth Rogen, escreveu algo nos moldes de suas próprias experiências, quando teve que enfrentar uma situação bem similar. O resultado foi uma grata surpresa. “50%” já merecia destaque simplesmente por não se desviar muito da sua intenção inicial: a jornada de Adam contra a temível doença. Para salientar isso, perceba que o espaço para romance, quando há, se limita às boas impressões que duas pessoas podem causar entre si. Outro mérito que deve ser apontado é a aura humana e jovial que o filme possui, dando direito a ter cenas bem humoradas com outras realmente tristes, sem, contudo, parecer piegas. Repleto de referências pop que podem fazer os menos informados ficarem meio no vácuo (citam Senhor dos Anéis, Harry Potter, a careca de Michael Stipe e as doenças de Patrick Swayze e Michael C. Hall), “50%” pode ser aquela prova de que retratar doença séria não precisa ser, necessariamente, um filme dramático e edificante. Mais do que recomendado!

Resumo
Data
Título
50%
Avaliação
41star1star1star1stargray

Comentários (via Facebook)

comments

Um comentário

  1. Do diretor Jonathan Levine eu já vi Doidão. Um filme até bacana, mas nem tanto. Portanto, a minha expectativa estava um pouco alta já que aqui ele reuniu um bom elenco e tem uma boa história em mãos. Estou muito curioso para conferir ;D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.