A HORA MAIS ESCURA (2012)

A Hora Mais Escura | Zero Dark Thirty | dir. Kathryn Bigelow | EUA | ★★★★

A Hora Mais Escura Poster

A Hora Mais Escura | Resenha Crítica

Eu admiro muito Kathryn Bigelow. Mesmo. A mulher teve colhões de enfrentar o sexismo vigente no cinema autocrítico norte-americano e foi capaz de fazer seu marido comer poeira no Oscar de 2009, quando venceu o Oscar de melhor diretor e filme para seu primeiro grande sucesso, “Guerra ao Terror”. Bigelow, nessa ocasião, pareceu estar representando uma nova tendência ao ser premiada, num indício do que o cinema do país iria explorar exaustivamente dali em diante: a paranoia pós-11 de setembro.

Aqui, acompanhamos a cruzada de Maya (Jessica Chastain) em seu trabalho na CIA. Enviada para o Paquistão para trabalhar juntamente com Dan (Jason Clarke) e Joseph Bradley (Kyle Chandler), ela é uma das responsáveis pela busca tática pelo maior inimigo dos EUA, o fundador da Al-Qaeda, Osama Bin Laden. As buscas e obtenção de informações feitas pela equipe de Maya não são nada ortodoxas. A grande polêmica levantada por “A Hora Mais Escura” é a amostra do que seriam as sessões de interrogatórios utilizados pelos oficiais americanos.

Logo no começo do filme, a tortura rola solta em cenas que exploram o sadismo beiram o execrável. Bigelow, que não é nada boba, chega a se preservar colocando a inscrição de que tudo o que é visto na tela foi baseado em relatos de um membro (ou vários membros) de dentro da própria CIA. Parece óbvio que todos os órgãos competentes se alarmaram e correram pra negar os fatos, o que acabou fragilizando o longa, que passou a ser chamado de leviano por se utilizar da polêmica para conseguir audiência. Jessica Chastain, em pouquíssimos minutos, fica livre para gritar, cerrar os dentes e olhar fixamente para um colega e garantir indicação no Oscar. Fora que a personagem, além de essencialmente chata, ainda é maltratada pelo roteiro, que não lhe deram o direito nem de ter vida pessoal ou embates emocionais. Não se enganem pela ladainha em torno das torturas.

A Hora Mais Escura”, se visto com um thriller político eficiente naquilo que se propõe, é um dos bons acertos dessa entressafra do Oscar.

Resumo
Data
Título
A Hora Mais Escura
Avaliação
4

Deixe um comentário

3 Comentários em "A HORA MAIS ESCURA (2012)"

Notify of
avatar

Sort by:   newest | oldest | most voted
Marcio Melo (@marciosmelo)
Visitante
3 anos 3 meses atrás

Gostei também do filme e minha nota é a mesma da sua. Não gostei da ‘visão’ que apresenta erros grotescos dos americanos como “meios” para justificar bens maiores, mas de qualquer forma, como uma produção cinematográfica é mesmo um ótimo filme.

E sim, Bigelow é uma das maiores motherfuckers do cinema.

Brenno Bezerra
Visitante
Brenno Bezerra
3 anos 3 meses atrás

Espero vê-lo antes do Oscar. Acho que vou gostar, pois confio muito em Bigelow.

bruno knott
Visitante
3 anos 3 meses atrás

Pois é… como encontrar alguém como Bin Laden de outra forma? O filme é bela experiência do jeito que é… e aquele final é uma das coisas mais tensas que vi no cinema ultimamente.

Só tenho uma opinião diferente em relação a Jessica Chastain. Gostei bastante da personagem, mesmo sem vida pessoal. A obsessão dela me comoveu e acho que ela soube transmitir bem a força e o cansaço da personagem.

Curti o texto!
Abraços.

wpDiscuz