A LEI DO DESEJO (1987)

A Lei do Desejo ​|​ ​La Ley del Deseo​ ​|​ ​dir.​ Pedro Almodóvar ​|​ ​Espanha ​|​ ​★★★★

A Lei do Desejo PosterA Lei do Desejo” é o último filme da maratona pessoal que fiz em da filmografia de Pedro Almodóvar. Agora sim posso dizer que vi a todos os filmes do diretor espanhol – pelo menos os que consegui encontrar facilmente. Me surpreendi ao saber que este talvez seja o trabalho mais ousado do diretor, sendo o primeiro que fez sob a produção do inseparável irmão Agustín Almodóvar, com quem trabalha até hoje. Segundo o próprio cineasta, foi essa união profissional em família que lhe deu ainda mais liberdade à sua arte. Logo de início, vemos uma cena em que um jovem se acaricia a mando de um diretor. A sequência logo transgride para uma masturbação – com direito a nu frontal – e orgasmo logo a seguir. E é apenas uma introdução. Logo conhecemos o protagonista da história, Pablo (Eusebio Poncela), um cineasta gay que acaba de lançar mais um trabalho. Sua maior cúmplice é a irmã, a transexual Tina (Carmen Maura), que vive com a pequena filha. Quanto ao amor, Pablo passa por uma situação delicada. O jovem com quem se relacionava foi embora e acaba de conhecer Antonio (Antonio Banderas), que se descobre homossexual e passa a sentir uma paixão doentia por Pablo, a ponto de se envolver em um crime movido por puro ciúme. E é justamente sobre essa imprevisibilidade da paixão descontrolada que “A Lei do Desejo” irá se desdobrar. Trata-se de um filme do jeitinho que o fã de Almodóvar gosta, com o adendo de ser o primeiro inteiramente focado na relação entre dois homens (nesse caso, de três). Imagino como deve ter sido o escândalo na época. Segundo breve pesquisa, o filme quase não saiu do papel por conta de seu conteúdo, digamos, subversivo. No todo, se trata de um filme humano. Até porque, para falar sobre pessoas, é também preciso evidenciar as características mais primitivas de nós mesmos. E o desejo definitivamente é um deles.

Resumo
Data
Título
A Lei do Desejo
Avaliação
41star1star1star1stargray

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.