ALTA FIDELIDADE (2000)

Alta Fidelidade | High Fidelity | dir. Stephen Frears | EUA | ★★★★

Alta Fidelidade Poster

Estava com muita saudade de postar no blog. Muita mesmo. Com tantas coisas acontecendo na minha vida (mudança de apartamento, novo trabalho, último semestre de faculdade), acabei deixando o blog quase em último plano. Somado a isso, ainda teve uma queda considerável na quantidade de filmes assistidos. Tanta displicência (que pretendo consertar aos poucos a partir de hoje) fez com que agora eu voltasse pra comentar um filme que assisti há mais de um mês, mas que merece uma menção honrosa. Trata-se de “Alta Fidelidade“, longa em que o diretor britânico Stephen Frears (“Ligações Perigosas“, “A Rainha”) adapta o livro de Nick Hornby, que originalmente se passa em Londres. A história se inicia quando o complicado Rob Gordon (John Cusack) é abandonado pela namorada. A partir de então, ele passa a fazer uma série de listas, que incluem os seus términos mais traumáticos desde a sua adolescência. Dono de uma loja de discos que insiste em resistir ao advento dos CDs (caso parecido do nacional “Durval Discos“), ele conta com a companhia dos seus funcionários, o piadista Barry (Jack Black) e o esquisito Dick (Todd Louiso). É claro que eu já conhecia “Alta Fidelidade” desde a época em que era apontado como o primeiro papel de destaque de Jack Black, que depois viria a se tornar um comediante de sucesso. Entretanto, nem eu mesmo sabia se de fato eu já o havia assistido, não sem antes encontrá-lo perdido no catálogo do Netflix. Mas o maior desempenho é mesmo de John Cusack. Eu pouco havia reparado o fato de que o cara só faz papéis de pessoas incômodas com a sua própria existência desprezível, isso quando não descamba completamente no desequilíbrio. Basta lembrar de exemplos como “Tiros na Broadway” (1994), “Quero Ser John Malkovich” (1999) ou “Obsessão” (2012). Para quem gosta de música de qualidade, “Alta Fidelidade” é praticamente obrigatório. Com inúmeras citações, a trilha sonora com Elton John, Belle & Sebastian, The Velvet Underground, Queen, Bob Dylan, Barry White, entre outros.

Resumo
Data
Título
Alta Fidelidade
Avaliação
41star1star1star1stargray

Comentários (via Facebook)

comments

4 Comentários

  1. A cena pós enterro, onde toca Most of Time do Dylan é antológica. Aqueles raros e felizes casos de ligar cena e música. Prá mim é inesquecível. PS Continue postando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *