AMADEUS (1984)

Amadeus | dir. Milos Forman | EUA | ★★★★★

Amadeus Poster

Para muita gente, se dispor a ver um filme de três horas de duração (na versão do diretor, que possui um acréscimo de vinte minutos em relação ao original) e ter música clássica como base pode ser algo extremamente chato. Mas, devo alertar que, no caso de “Amadeus”, essa falsa impressão vai embora logo aos primeiros minutos da obra.  Com uma visão livre de Peter Shaffer – baseado em sua própria peça – “Amadeus” se inicia com a tentativa fracassada de suicídio do músico Antonio Salieri (F. Murray Abraham). Logo depois, ele recebe a visita de um padre, a quem vai contar os motivos de sua desilusão: a crença de que foi um dos responsáveis pela morte de Wolfgang Amadeus Mozart (Tom Hulce). Em forma de confissão, Salieri relata suas memórias, desde quando era criança, passando pelo início de sua carreira musical até se tornar um maestro da corte de Viena. Mesmo sendo devoto, possuía um sentimento de inveja em relação à Mozart, o que o levou a tomar medidas que fizessem cruzar suas vidas de uma maneira intensa e fatal. Sobre a construção da obra, não tem como deixar de tecer elogios à direção impecável de Milos Forman, tanto com a grande opulência em que trabalha às belíssimas cenas de ópera, quanto ao cuidado que parece simples ao mostrar os pequenos sustos que alguns personagens tomam na tela quando Mozart dá alguma de suas gargalhadas. A ambientação da obra também conseguiu feitos incríveis, com cenas sendo rodadas em lugares com luzes naturais e a impressionante direção de arte da americana Patrizia Von Brandenstein e a tcheca Karel Cerný. E é justamente nesse dado técnico que se encontra a cereja do bolo. “Amadeus” é um dos filmes mais belos do ano de seu lançamento, e se faz inesquecível pelo fato de ser lírico ao mesmo tempo em que retrata um dos desvios humanos – a inveja – de uma maneira magistral.

Resumo
Data
Título
Amadeus
Avaliação
51star1star1star1star1star

Comentários (via Facebook)

comments

2 Comentários

    • Ana Carolina,

      Como Mozart é vienense, presumo que o filme transcorra na Áustria.

      Era essa a dúvida?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *