AS AVENTURAS DE TIMTIM – O SEGREDO DE LICORNE (2011)

As Aventuras de Timtim | The Adventures of Tintin | dir. Steven Spielberg | EUA | ★★★★★

As Aventuras de Timtim Poster

Já chegaram a dizer que Steven Spielberg voltou à boa forma com esse “As Aventuras de Timtim”, que foi uma espécie de mea culpa pelo mamão-com-açúcar “Cavalo de Guerra” (do qual não vi, mas é fácil prever um trabalho exagerado de Spielberg). O fato é que Timtim (criado em 1929 pelo quadrinista belga Hergé) nunca foi popular nos EUA, o que dificultaria a boa aceitação por parte dos ianques. Na Europa, a popularidade já é mais certa, o que explica o sucesso que essa animação conquistou por lá. Nesse primeiro filme (segundo o IMDB, existem mais dois da série a serem lançados futuramente), Timtim (Jamie Bell) irá se envolver no mistério inicial envolvendo o mito de Sir Francis através da miniatura de um barco que ele encontra numa feira e que, por alguma razão, chama a atenção do inescrupuloso Sakharine (Daniel Craig). Para recuperar a miniatura roubada e descobrir, enfim, qual é o mistério em torno dos barcos, o repórter belga, em companhia de seu cãozinho Milu, adentra na embarcação roubada por Sakahrine, que pretende chegar à Baggahrr (na África) dominando o barco do Capitão Haddock (Andy Serkis). Talvez a única ressalva a ser dada sobre “As Aventuras de Timtim” seja o seu parco investimento em desenvolvimento de personagens, já que a brincadeira aqui é dar corda para a sucessão de clímax que deixa a plateia cada vez mais envolvida, sem intervalos para respirar. O filme foi todo rodado em motion capture, processo no qual a animação advém dos movimentos adquiridos de atores reais. A exuberância gráfica e a edição são exemplos do que pode ser feito nessa melhor animação de 2012. A cena envolvendo a perseguição de pergaminho une a direção precisa de Steven Spielberg e a edição afiada de se habitual parceiro Michael Kahn. Um trabalho digno do mestre, novamente fazendo as pazes com o seu público.

Resumo
Data
Título
As Aventuras de Timtim
Avaliação
51star1star1star1star1star

Comentários (via Facebook)

comments

3 Comentários

  1. Lembro das duas grandes polêmicas de TINTIM, uma levantada pelas premiações (o Oscar fez a bobagem de considerar motion-capture inelegível para animação) e outra pelo público (reclamando em massa da suposta superficialidade do roteiro, com muita ação). Para mim, ambas são inúteis. TINTIM é uma animação de primeira, e o próprio personagem não aceita a abordagem de uma “vida pessoal”, pois ela sequer existe. Ele é um aventureiro nato e só.
    Mas ainda prefiro FRANKENWEENIE, me tocou um pouco mais.
    Primeiro comentário por aqui! Parabéns pelo espaço!

    Ah, e sobre CAVALO DE GUERRA, é emotivo demais sim, mas porque a história pedia isso – toda a problemática é perfeita para manipulação (algo que se vê em O IMPOSSÍVEL, por exemplo). E os dois filmes são muito bons. Quando puder ver CAVALO DE GUERRA, veja. 🙂

    • Obrigado pela visita e o comentário, Weiner.

      As Aventuras de Timtim, de fato abraça essa polêmica do “desenvolvimento de personagens”, mas, ainda assim, acerta em muitas outras coisas, além de confirmar a natureza do próprio herói (como você disse, um aventureiro nato).

      Sobre Cavalo de Guerra, eu confesso que não vi também por falta de tempo, mas principalmente porque não aguento ver filme com cavalo/cachorro, etc. Sou sensível a isso, confesso.

      Grande abraço.

  2. Timtim é um filme divertido, mas não me agradou tanto. Em certos momentos, o excesso de sequencias de ação me entediou um pouco. Veja Cavalo de Guerra e tire suas conclusões, o pessoal caiu de malho, mas acho um exagero, o filme não é tão ruim assim.

    Abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.