AS BRUXAS DE SALÉM (1996)

As Bruxas de Salém ​|​ ​The Crucible​ ​|​ ​dir.​ Nicholas Hytner ​|​ ​EUA​ ​|​ ​★★★★★

As Bruxas de Salém PosterEu adoro “As Bruxas de Salém”, mas fazia muito tempo que não o revisitava. Para mim, é um filme que funciona em tudo o que se propõe, ainda que eu entenda as pessoas que torcem – nem que seja um pouquinho – o nariz. A produção é pomposa, com roteiro escrito por Arthur Miller (1915–2005), que também assinou a peça que foi lançada em na década de 50. Esse mesmo texto já teve uma adaptação desenvolvida para o cinema chamada “As Virgens de Salem” (1957), com roteiro escrito por ninguém menos que Jean-Paul Sartre. A direção dessa vez fica por conta de Nicholas Hytner, aqui em seu segundo longa-metragem, tendo estreado com “As Loucuras do Rei George” (1994). Não sei se todo mundo aqui já conhece as lendas que povoam a pequena Salém, Massachusetts, durante o séc. XVII. Na era da caça às bruxas, um grupo de adolescentes é flagrado por um reverendo enquanto dança como forma de simpatia para conquistar rapazes. Entre elas está Abby (Winona Ryder), uma garota que, para se defender, passa a fingir visões que levam à uma histeria coletiva, já que as outras garotas manifestam a mesma “dádiva”. A intenção de Abby acabam atigindo Elizabeth (Joan Allen), a esposa do fazendeiro John Proctor (Daniel Day-Lewis), com quem Abby teve um caso antes de ser rejeitada por ele. E, sim, assistindo ao filme, é inevitável não sentir um ódio tremendo da personagem de Winona, mesmo sabendo que, no contexto dali, era aquilo ou ter o pescoço quebrado por uma forca. Ainda assim, nada que justifique o fato de acusar mais uma centena de pessoas. “As Bruxas de Salém” não tem aspecto teatral – o que é ótimo – e passeia muito bem pelas temáticas das quais quer retratar, já que Miller quis, ao mesmo tempo, denunciar o fanatismo religioso e fazer uma metáfora à caça aos comunistas travada pelo senador Joe McCarthy. Continuo gostando muito do filme!

Resumo
Data
Título
As Bruxas de Salém
Avaliação
51star1star1star1star1star

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.