CINCO GRAÇAS (2015)

Cinco Graças | Mustang | dir. Deniz Gamze Ergüven | Turquia | ★★★

Cinco Graças Poster

Empoderamento da mulher”, “patriarcado”, “sororidade” e outros termos levantados por feministas ganharam ainda mais evidência no ano de 2015. A necessidade urgente fez com que a mulher do novo milênio tenha voz, espaço e, claro, legitimidade. Por isso, um filme como “Cinco Graças” é um produto desse novo tempo em que sujeição da mulher, independentemente do meio em que vive, deve ser debatido. O longa turco dirigido pela estreante Deniz Gamze Ergüven (havia feito pouco material de curtas anteriormente) pode sofrer uma comparação mundial com “As Virgens Suicidas” (1999), o primeiro trabalho de Sofia Coppola nos cinemas. As histórias têm, de fato, as suas semelhanças. As cinco irmãs Lale (Günes Sensoy), Nur (Doga Zeynep Doguslu), Ece (Elit Iscan), Selma (Tugba Sunguroglu) e Sonay (Ilayda Akdogan), no último dia de aula, brincam com sus colegas numa das praias da pacata aldeia em que vivem. A cena, apesar de inocente, gera um enorme escândalo no local. Todas são obrigadas pela avó e o tio (os pais morreram) a viverem trancafiadas dentro de casa sendo “treinadas” para serem boas esposas. As mais velhas já vão entrando no esquema do casamento arranjado. Com isso, a alegria contida na dinâmica entre as irmãs vai sendo substituída pela tristeza de todas elas. Cada uma lida com a situação de uma forma diferente, sendo Lale, a caçula, a mais indignada, funcionando como a figura contestadora com quem nos identificamos. “Cinco Graças” cumpre bem esse papel de retratar algo que acontece de maneira institucionalizada em diversas partes do mundo. O único problema do texto da própria Deniz Gamze Ergüven feito em parceria com Alice Winocour é que os “antagonistas” não ficaram tão bem desenvolvidos para surtir uma melhor reflexão sobre o que acontece com as protagonistas. A única exceção talvez seja a avó das garotas, que trilhou o mesmo ciclo e se preocupa com o fato de que supostamente as netas não sejam virgens e, portanto, não se casem. Enfim, “Cinco Graças” tem sido premiado merecidamente por conta da sua sensível coragem.

Resumo
Data
Título
Cinco Graças
Avaliação
31star1star1stargraygray

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *