ELEFANTE BRANCO (2012)

Elefante Branco | Elefante Blanco | dir. Pablo Trapero | Argentina | ★★★★★

Elefante Branco Poster

Elefante Branco” (Elefante Blanco) une, em uma só produção, tudo o que considero fazer parte de uma obra de maestria: bons atores, construção de personagens, denúncia social, abordagem de temas, direção de ponta, técnica caprichada, história interessante e audácia, MUITA audácia. Grande parte dessa animosidade provém do nome Pablo Trapero, que já se mostrou um profissional de devido respeito em exemplos anteriores como “Leonora” (2008) e, principalmente, em “Abutres” (2010).

O elefante branco do título se refere a uma construção que, segundo consta nos autos, foi praticamente abandonada pelos governantes argentinos. Com levantamento iniciado na década de 30, a intenção era que fosse construído o maior hospital da América Latina. Por sofrer diversas intervenções e empacar na burocracia federal, o local acabou ficando à estreita, se tornando uma espécie de conjunto habitacional irregular onde são abrigadas 30 mil pessoas atualmente.

Como se não bastasse, a comunidade é dominada por dois comandantes rivais do narcotráfico, ambos querendo prevalecer à expansão das drogas através do aliciamento de crianças e a violência que assola o local. No meio dessa guerra urbana, se encontra o Padre Julían (Ricardo Darín), líder eclesiástico que faz um trabalho social (e por vezes estéril) na comunidade. Por estar com uma suposta doença grave, ele vai atrás de um possível substituto para dar continuidade ao seu voluntariado. Até que aborda o missionário belga Nicolás (Jérémie Renier), um homem traumatizado após a dizimação da aldeia em que morava na Amazônia. O contato com o elefante branco e seus contornos fará com que Nicolás crie uma série de questionamentos sobre a utilidade real de toda a sua benevolência religiosa e comunitária. Com tantas dúvidas, ele ainda se aproximará de Luciana (Martina Gusman), que corresponderá às investidas.

Pablo Trapero faz um trabalho belíssimo do ponto de vista técnico. Os planos-sequência que habituam no longa só confirmam a ousadia técnica de um cineasta que vai pavimentado seu nome em grandes centros do cinema mundial, como aconteceu em Cannes. Dentre todos os elogios que posso fazer a “Elefante Branco”, quase todos só vão confirmar a qualidade desse grande exemplar “favela movie” da Argentina, que me surpreendeu em quase todos os sentidos.

Resumo
Data
Título
Elefante Branco
Avaliação
51star1star1star1star1star

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *