ENQUANTO SOMOS JOVENS (2014)

Enquanto Somos Jovens | While We’re Young | dir. Noah Baumbach | EUA | ★★★

Enquanto Somos Jovens Poster

Noah Baumbach é um queridinho dos cinéfilos indies. “A Lula e a Baleia” (2005) e “Frances Ha” (2012), ambos escritos e dirigidos pelo cineasta, dão o tom do seu público-alvo. Por isso surpreende que em “Enquanto Somos Jovens” ele satirize o estilo que ele mesmo ajudou a saturar. Josh (Ben Stiller) e Cornelia (Naomi Watts) formam um casal de meia-idade que tenta manter o status de felicidade no relacionamento. Ele é um documentarista que passa por uma crise criativa. Ela trabalha como produtora do pai, um documentarista de sucesso. A vida dos dois passa por uma repentina mudança ao conhecer Jamie (Adam Driver) e a namorada Darby (Amanda Seyfried), um casal de vinte e poucos anos que parece abraçar o mundo através da simplicidade. O choque de gerações contido em “Enquanto Somos Jovens” possibilita algumas boas tiradas, o que deixa o filme mais leve e cômico. Mas não se engane. A obra quer mesmo é fazer um paralelo entre a vida adulta e os hipsters, aqueles que forçam uma vida voltada ao resgate do vintage e superestima o bom gosto, quando o esforço para que isso aconteça tira completamente a autenticidade do seu estilo. Os personagens mais jovens, por exemplo, escrevem em máquinas de escrever, ouvem discos de vinil, leem livros de papel e assistem filmes em VHS, enquanto os mais velhos optam por laptops, iPod, Kindle e Netflix. O bom é que tem aqui um conteúdo que contesta essa nova realidade na qual estamos inseridos. Afinal, por que quando alguém à mesa pega o celular, os outros presentes se sentem obrigados a fazer o mesmo? – tal qual aponta um diálogo na história. Quanto a essa ironia proposta por Baumbach, “Enquanto Somos Jovens” tem saldo positivo. O problema é o seu terceiro ato bastante enfraquecido, que aposta em elementos redundantes como a garrafa de álcool para mostrar instabilidade em uma pessoa ou o discurso que esmiúça toda a mensagem que o filme tem que passar. É um trabalho surpreendente para um diretor que contrapõe os seus próprios fãs, mas que infelizmente não mantém fôlego até o seu final.

Resumo
Data
Título
Enquanto Somos Jovens
Avaliação
31star1star1stargraygray

Comentários (via Facebook)

comments

Um comentário

  1. Realmente esse ~choque de gerações~ que rola no início do filme e toda essa “sátira hipster” são bem interessantes e divertidas, mas o filme perde mesmo a força no último ato o que prejudica um pouco, mas não tira o brilho por completo.

    Do Noah meu favorito ainda é Frances Ha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.