EXPERIMENTOS (2015)

Experimentos | Experimenter | dir. Michael Almereyda | EUA | ★★★

39ª Mostra Internacional de São Paulo

Experimentos Poster

Quase que eu não fico para a sessão de “Experimentos“, que seria o segundo filme do dia na 39ª Mostra Internacional de São Paulo. Isso porque, logo depois da apresentação introdutória do produtor do longa – que inclusive é brasileiro – o DCP ficou engasgando, gerando o travamento do que era exibido. Rolou constrangimento entre os espectadores. Mas o problema se deu somente nos dez primeiros minutos, e o restante correu tudo bem. De fato, “Experimentos” é uma surpresa. Trata-se da biografia do psicólogo social Stanley Milgram (Peter Sarsgaard), que é em 1961 liderou uma série de pesquisas na Universidade de Yale sobre o que leva o ser humano a obedecer outras pessoas. Para isso, ele conta com alguns voluntários, que são obrigados a dar eletrochoques em outra pessoa em nome da ciência. Milgram se atentou a essa condescendência certamente por conta dos nazistas, que faziam barbaridades só porque obedeciam às autoridades. O mesmo pode se dizer da Polícia Militar, que não raramente cometem barbaridades somente por estarem “servindo ordens”. O psicólogo e professor escreveu um livro sobre o tema, mas acabou se tornando um pária na Academia, incluindo na Universidade em que leciona. É dele também a teoria dos seis graus de separação, aquela em que diz que bastam sete pessoas para que todo mundo esteja interligado. O filme também vai retratar o lado pessoal de Milgram, incluindo a relação com sua esposa, Sasha (Winona Ryder). “Experimentos” tem cara de poucos recursos, vide a quantidade de fundo falsos presentes, mas que no fundo pode ser só mais um pitaco artístico do diretor Michael Almereyda (“Nadja”, “New Orleans, Mon Amour”). Além da presença graciosa de Winona Ryder com a mesma carinha da época do seu apogeu, “Experimentos” conta com uma história que gera curiosidade, já que todos nós (ou pelo menos espero que a maioria) já se perguntou sobre comportamento humano. Afinal, porque quando uma ou duas pessoas estão olhando para cima, é bem provável que outras comecem a olhar também? Esse é aquele filme que irá problematizar o ser humano de uma maneira inteligente, mas sem ir além do estudo do seu protagonista. Um trabalho correto.

Resumo
Data
Título
Experimentos
Avaliação
31star1star1stargraygray

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.