JULIETA (2016)

Julieta | dir. Pedro Almodóvar | Espanha | ★★★★

Julieta Poster

Talvez até soe um pouco polêmico o que vou dizer, mas: sim, eu gostei de “Julieta”. Ah, mas por que polêmico? Bom, faz um tempinho que o cineasta espanhol Pedro Almodóvar não ultrapassa a maestria já vista em exemplos graúdos como “Tudo Sobre Minha Mãe” (1999) ou “Fale Com Ela” (2002), e aqui ele bebe da fonte de três textos da escritora canadense Alice Munro (“Longe Dela”, “Amores Inversos“). Logo no início conhecemos Julieta (Emma Suárez), que tem um relacionamento com Lorenzo (Darío Grandinetti) e ambos estão prestes a sair de Madri rumo à Portugal. Até que na rua a personagem reencontra uma conhecida de longa data, que diz ter encontrado a filha de Julieta também por acaso. Só aí percebemos que a protagonista tem uma filha, mas que não nutre uma boa relação com a mesma. Julieta então cancela a mudança, termina o namoro, se muda para uma antiga casa e resolve narrar, em forma de carta, todos os acontecimentos que envolvem Xoan (Daniel Grao), o pai de sua filha, que conheceu enquanto ele ainda era casado. Eu consigo entender perfeitamente aqueles que não gostaram de “Julieta”. O tom melodramático pesa em boa parte da trama, que não se redime ao enxugar conteúdo para não se livrar de uma temática que muito invejaria um autor de novela tradicional. Sem contar na barriga que o filme tem e no leve tom de descaso na formação da personagem-título, que destoa em suas duas gerações. Por outro lado, o mesmo filme possui uma delicadeza que muito me interessa, aliado às tão conhecidas “cores de Almodóvar”, que estão lá, enfiadas na nossa cara já na cena de abertura. Não acredito que seja o erro que muitos vem apregoando e fico muito feliz em me dar conta de que Pedro Almodóvar ainda faz bons filmes, ainda que estes recentes não tenham a dimensão de suas grandes obras.

Resumo
Data
Título
Julieta
Avaliação
41star1star1star1stargray

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.