O MÁGICO DE OZ (1939)

O Mágico de Oz | The Wizard of Oz | dir. Victor Fleming | EUA | ★★★★★

O Mágico de Oz Poster

Não é que eu duvidasse do poder de “O Mágico de Oz“. Apenas não achava que, mesmo sendo visto depois de tantos anos, eu ainda pudesse me encantar tanto com um filme infantil. Atualmente, detém um título – questionável – de ser o filme mais visto da história do cinema, tamanha a quantidade de vezes em que foi lançado no mercado e exibido na televisão internacionalmente por várias gerações. Confesso que não tenho memória afetiva pela obra, não tanto quanto a paródia tupiniquim “Os Trapalhões e o Mágico de Oróz” (1984), que me foi muito mais presente na infância. A adaptação do livro de L. Frank Baum foi dirigida por Victor Fleming no mesmo ano em que dirigiu “E o Vento Levou” (1939), outro grande clássico. A história todo mundo sabe de cor e salteado. Dorothy (Judy Garland) é uma criança que, ao fugir da casa onde vivem seus tios para evitar que seu cãozinho Totó seja levado por uma vizinha megera, é vitimada por um tornado que a leva para a multicolorida Oz, tomando contato com fadas, duendes e um mágico, que poderá ajudá-la a voltar para o Kansas. No caminho dos tijolos amarelos, encontra um espantalho (Ray Bolger) que deseja um cérebro, um homem de lata (Jack Haley) que almeja um coração e um leão medroso (Bert Lahr) que só queria ter coragem. Todos esses desejos só poderão ser realizados se conseguirem obter a vassoura da vingativa Bruxa Má d’Oeste (Margaret Hamilton). Judy Garland, que se sujeitou a amarrar faixas na região dos seios para parecer mais jovem no papel, catapultou a sua carreira e deteve o título de diva clássica. Sua voz, que entoa a conhecida Over the Rainbow, é tão marcante quanto a sua atuação. Mas o que mais me chama a atenção em “O Mágico de Oz” é a sua qualidade visual, que impressiona numa época em que o processo de technicolor ainda era uma novidade no cinema. Uma tecnologia tão nova que foi usada de maneira brilhante. Para novas e velhas crianças, “O Mágico de Oz” continua sendo uma fábula infalível em qualquer forma de arte.

Resumo
Data
Título
O Mágico de Oz
Avaliação
51star1star1star1star1star

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.