O RETRATO DE DORIAN GRAY (2009)

O Retrato de Dorian Gray | Dorian Gray | dir. Oliver Parker | Reino Unido | ★★

O Retrato de Dorian Gray Poster

Praticamente ignorado fora da Inglaterra, “O Retrato de Dorian Gray” teve uma divulgação irrisória na América, sem quase nenhuma atenção por parte dos norte-americanos. No Brasil, ficou com atraso de mais de um ano para ser lançado nos cinemas, embora tenha sido visto no Festival do Rio ano passado. Seu lançamento nas salas pode se dever ao fato de Colin Firth ser destaque após ganhar seu Oscar de melhor ator nesse ano. Caso isso faça com que o filme seja visto, é viável informar que o ator é a melhor coisa aqui. Se, do contrário, Colin Firth não aguce a curiosidade em conferir a nova adaptação (dentre várias) da obra de Oscar Wilde, saiba que não há nada de excepcional.

Dorian Gray (Ben Barnes) chega a Londres no final do séc. XIX para arrendar a mansão de seu avô recém-falecido. Ainda tímido e desajeitado, ele ganha a amizade de dois homens distintos: o cínico aristocrata Henry Wotton (Colin Firth) e o pintor Basil Hallward (Ben Chaplin). Basil, aliás, já demonstra grande interesse em pintar um quadro tendo Dorian como modelo. Henry, por sua vez, leva o jovem ao submundo do sexo na Londres reluzente, o envenenando com seus ensinamentos amorais. Vislumbrado com a forma com que sua beleza juvenil é capaz de atrair atenções femininas, a vaidade de Dorian vai aumentando cada vez mais. O quadro pintado por Basil alcança uma perfeição tamanha, que é capaz de se fazer sobrenatural, retratando o íntimo de Dorian, que vai ficando cada vez mais feio e podre, enquanto sua real figura continue bela e jovem.

Dirigido por Oliver Parker, o filme infelizmente sofreu alterações em alguns pontos que poderiam ser aproveitáveis na linguagem do cinema. Apesar de tratar inicialmente (e de maneira até elegante) o hedonismo por parte de Dorian Gray, o trabalho de Parker acaba se esvaindo em um filme arrastado, longo demais para sua premissa. A adaptação é válida para tomar contato, mesmo que por meios tortos, com a obra do Oscar Wilde, uma história cheia de sarcasmos e pitadas de ingredientes homoeróticos.

Resumo
Data
Título
O Retrato de Dorian Gray
Avaliação
21star1stargraygraygray

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *