TRUMAN (2015)

Truman | dir. Cesc Gay | Espanha | ★★★★

Truman Poster

Foi uma grata surpresa ver esse “Truman”, que eu jurava se tratar de um filme argentino só porque tem Ricardo Darín na capa. Que nada. O filme foi produzido na Espanha, cujo diretor Cesc Gay é relativamente conhecido. Confesso que foi uma distração minha mesmo, já que “Truman” foi muito bem recebido na Europa e chegou a ganhar incontáveis prêmios no Goya. A difícil tarefa aqui é falar sobre morte da maneira mais leve possível, com direito a alívios cômicos (não chega a ser uma comédia rasgada) e um belíssimo retrato sobre amizades sem cobranças, onde o respeito prevalece acima de qualquer coisa. Tudo começa com a chegada de Tomás (Javier Cámara, de “Fale com Ela“) em Madri. Apesar de ser nativo, ele mora no Canadá há muitos anos. O motivo da viagem é visitar o amigo de longa data Julián (Ricardo Darín), que se encontra com um câncer no pulmão em estágio terminal e, por conta disso, resolve não se submeter à quimioterapia. Diante da sua iminente morte, Julián tenta fechar algumas pendências, organizar o seu próprio funeral e, o mais importante: encontrar uma família para adotar Truman, o seu amado cachorro. O que posso dizer é que “Truman” acerta em não se entregar ao melodrama fácil. Seria muito conveniente retratar a morte da maneira mais lacrimosa possível. O filme, sim, é emocionante, mas por questões secundárias. Falar sobre perdoar pessoas e lidar com a gratidão é muito mais difícil de ser abordado de maneira reflexiva, e isso é feito de maneira competente aqui. O que não significa, todavia, que o sentimentalismo ás vezes não seja descuidado nos momentos em que deve ser levado a sério. Em algum momento “Truman” se perde, porém é passageiro. Para quem é fã de Darín, trata-se de mais uma oportunidade de vê-lo em plena forma nesse filme agradável e maduro.

Resumo
Data
Título
Truman
Avaliação
41star1star1star1stargray

Comentários (via Facebook)

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.